23 de Julho de 2009
Quero encaminhar essa notícia para...

Publicada em 09/12/11

Scheidt e Prada começam o desafio de classificar a Star do Brasil para Londres

A partir deste domingo (11/12), no Mundial de Perth, na Austrália, dupla entra na briga por uma das 11 vagas que estarão em jogo na competição

Robert Scheidt e Bruno Prada começam neste domingo (11/12), na Austrália, o desafio mais importante da temporada: classificar a Star do Brasil para a Olimpíada de Londres, em 2012 - no Mundial de Perth (AUS), estarão em jogo 11 das 16 vagas olímpicas disponíveis para a categoria. A dupla brasileira chega ao evento como favorita, condição a que, segundo Scheidt, ele e Prada estão habituados. "Isso não muda muita coisa. E eu sempre preciso de pressão, de expectativa. Um pouco de ansiedade é bom para o atleta."

Scheidt e Prada estão preparados para uma competição difícil e uma disputa acirrada em Perth. Além dos ventos fortes e das 5 a 6 horas que devem passar na água, o que vai exigir bom preparo físico e mental, terão de dividir a raia com muitos dos favoritos ao pódio na Olimpíada. "Sem falar em países que vão usar o Mundial como seletiva para Londres, a exemplo da Alemanha, Estados Unidos e Canadá", disse Prada.

Para Scheidt, a dupla pode levar certa vantagem sobre os competidores pelo fator clima. "Enquanto nós viemos do Brasil para a Austrália, do calor para o calor, muitos vieram do frio para o calor e a adaptação deve ser mais complicada, com a mudança de temperatura e de fuso horário (Perth está 10 horas à frente do Brasil)."

Além de classificatório para a Olimpíada, o Mundial de Perth também é válido como seletiva brasileira para Londres/2012. Se garantirem a vaga da Star nos Jogos, Scheidt e Prada somam um ponto. Outro ponto estará em disputa em fevereiro, em Búzios, na seletiva brasileira. "Se conseguirmos a vaga e vencermos a seletiva, a nossa dupla vai representar o Brasil em Londres. Caso contrário, teremos uma competição de desempate em 2012, ainda não sabemos qual", disse Prada.

Para a classe Star, estão previstas uma série de classificação, com dez regatas, e a Medal Race. Com seis regatas completadas, os velejadores terão direito ao descarte do pior resultado.A Medal Race, no dia 17, reservada aos dez velejadores mais bem colocados na fase de classificação, tem pontuação dobrada e seu resultado não pode ser descartado.

Redação Eagora