23 de Julho de 2009
Quero encaminhar essa notícia para...

Publicada em 05/06/13

Para a maioria dos pacientes, a cirurgia é o melhor tratamento para a estenose da coluna vertebral

Pesquisadores sugerem que os pacientes que fumam devem considerar seriamente parar de fumar antes de passar por uma cirurgia de estenose espinhal

Para pacientes com estenose espinhal - não fumantes - a melhor opção terapêutica é a cirurgia em comparação ao tratamento não cirúrgico. A informação é de um estudo publicado no Spine.

"Os pacientes com estenose espinhal apresentam estreitamento do canal espinhal, o que causa dores nas costas, dores nas pernas, dentre outros sintomas", explica o neurocirurgião Eduardo Iunes, (CRM-SP 119.864), especialista em coluna.

Segundo os autores da pesquisa, realizada pelo The Dartmouth Institute for Health Policy and Clinical Practice, com exceção dos fumantes, os pacientes que se submeteram à cirurgia de estenose espinhal apresentaram uma melhora mais acentuada com o procedimento do que os pacientes que se submeteram ao tratamento conservador.

Os pesquisadores sugerem também que os pacientes que fumam devem considerar seriamente parar de fumar antes de passar por uma cirurgia de estenose espinhal.

Não fumantes e melhores resultados

Para chegar a esta conclusão sobre a melhor indicação terapêutica para a estenose espinhal, os pesquisadores analisaram dados do Spine Outcomes Research Trial (SPORT), um dos maiores ensaios clínicos sobre a cirurgia para problemas de coluna. No SPORT, os pacientes que preencheram os critérios rigorosos para a estenose do canal vertebral (ou outros diagnósticos comuns da coluna espinhal) foram randomizados para cirurgia ou tratamento não cirúrgico (tais como fisioterapia e medicamentos).

No estudo, 419 pacientes com estenose espinhal passaram por uma cirurgia, enquanto 235 receberam o tratamento convencional. A diferença de pontos numa escala de classificação de deficiências (até 100) foi estabelecida para avaliar os efeitos dos tratamentos, comparando a cirurgia ao tratamento não cirúrgico. Uma vasta gama de características foi analisada para prever quais os grupos de pacientes que seriam mais beneficiados com o tratamento cirúrgico ou com o tratamento não cirúrgico.

Os resultados mostraram consistentemente uma melhora maior após a cirurgia. "Com exceção dos fumantes, todos os subgrupos analisados, incluindo pelo menos 50 pacientes, melhoraram significativamente mais com a cirurgia do que com o tratamento clínico", diz o médico.

Com o ajuste para outros fatores, os fumantes que fizeram a cirurgia ganharam apenas dois pontos na escala de deficiências, em comparação com aqueles que se submeteram ao tratamento não cirúrgico.

Algumas características, além de deixar de fumar, predizem também uma melhora maior com a cirurgia, tais como uma baixa pontuação inicial de invalidez, a presença de anormalidades neurológicas e certos tipos de estenose da coluna vertebral.

Para os pacientes com características favoráveis mais fortes, o efeito do tratamento previsto para a cirurgia foi uma melhora de 24 pontos no escore de deficiência, em relação ao tratamento não cirúrgico.

"Os pesquisadores enfatizam que os resultados de sua pesquisa aplicam-se apenas aos pacientes que satisfazem aos rigorosos critérios SPORT para a estenose espinal: dores persistentes e sintomas típicos com exames de imagem para confirmar o estreitamento do canal vertebral", observa o neurocirurgião Eduardo Iunes.

Os dados podem ser usados ​​para ajudar a individualizar as discussões e compartilhar as decisões sobre os possíveis resultados, após o tratamento cirúrgico ou não cirúrgico da estenose espinhal.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO:

Márcia Wirth
MW- Consultoria de Comunicação & Marketing em Saúde
E-mail: faleconosco@marciawirth.com.br
Site: www.marciawirth.com.br
Telefones: (11) 9 9394 3597/3791 3597